Publicidade

Posts com a Tag Juan Roman Riquelme

domingo, 11 de março de 2012 Boca Juniors, Clausura, Independiente, Reflexão | 23:24

Gracias, Futbol!

Compartilhe: Twitter

Antes de prolongar-me, confesso: sou torcedor do Boca Juniors. Mas hoje isso pouco importou. Os xeneizes perderam do Independiente por 5 a 4 em plena Bombonera, e eu comemorei. Passeei por diversas sensações e relembrei porque o Futebol é importante na minha vida.

Farías converteu um hat-trick, em La Bombonera, e se tornou o herói da vitória Roja

Sei a importância que o Esporte e, sobretudo, o Futebol têm na construção antropológica e sociológica do ser. Sei também que uma derrota pode transformar sonhos em pesadelos, alegrias em tristezas e por ai vai… São inúmeras as transformações.

Contudo, descobrir a muito tempo atrás que posso me entregar ao futebol e todos os sentimentos que ele pode acarretar, sem que para isso precise me tornar irracional, cego, agressivo… Pode parecer balela de torcedor, mas não é.

Voltando ao que de fato interessa, hoje tive o prazer de assistir a um jogo memorável. Vi o time pelo qual eu torço sofrendo dois gols em seis minutos, quando o primeiro saiu, não havia completado nem o primeiro minuto de jogo (38 segundos). Claro, que na minha cabeça passava um misto de temor e expectativa. Até Facundo Roncaglia descontar, aos 12 minutos do primeiro tempo, e devolver-me a crença.

E quando eu começava a imaginar que o Boca iria conseguir virar, eis que Ernesto Farías, aquele mesmo que o Cruzeiro comprou sem saber quem era e depois o descartou sem conhecê-lo, ampliou. 3 a 1, aos 32 do primeiro tempo. Atônito não sabia o que pensar. Os xeneizes mostravam sinais de reação e sempre que eu me empolgava a defesa me mostrava que eu deveria ter calma. E eu já quase descrente, Juan Román Riquelme descontou, aos 45 minutos. Acabou o primeiro tempo.

Com ânimo renovado, viriam os 50 minutos restantes, isso mesmo, não errei no cálculo. E para a alegria boquense, Roncaglia marcara um doblete empatando a partida. E mesmo sem jogar um futebol vistoso, o Boca conseguiu ficar pela primeira vez na frente do marcador, com Ledesma, aos 29 da segunda etapa. Aqui a alegria se fazia presente. Afinal, neste momento, os de La Boca pareciam ter selado a vitória. A equipe diminuiu o ritmo, que já não era intenso, sentiu-se no controle da partida e… Eis que para surpresa geral surge novamente Tecla Farías e de cobertura empata o certame, aos 44.

Putz, pensei. Os Rojos, que estavam em crise, fizeram 3 a 1 na casa do adversário, sofreram a virada e ainda tiveram fôlego de buscar o empate no último minuto de jogo. E em meio a um turbilhão de ideia, acreditei que “por hoje era só”. Foi aí que cometi o mesmo erro que muitos comentem. O jogo não havia terminado. Coube tempo ainda para Farías marcar o triplete, comemorar a vitória dos Diablos, aos 50, e de deixar numa sensação entre o atordoado e o feliz.

Aos que não entendem a felicidade que senti, apesar da derrota do Boquita, explico: o futebol me presenteou com diversas emoções que talvez só o próprio pudesse proporcional num curto espaço de tempo. Não gostei da derrota, mas, neste caso, o Futebol venceu e me fez lembrar porquê o amo.

Gracias, Futbol!

Autor: Tags: , , , , , , , , ,

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012 Boca Juniors, Copa Libertadores da América, Seleção | 01:23

Numa partida “aburrida”, Boca não sai do zero

Compartilhe: Twitter

Boca Juniors estreou mal. Tanto pelo resultado – empate em zero a zero com o fraco Zamora, da Venezuela – quanto pelo futebol (não) apresentado. Como tentei alertar no texto anterior, esta equipe está longe de ser àquela vitoriosa de outrora, mas ainda assim é um bom conjunto, apesar da partida de hoje mostrar o contrário.

Talvez a necessidade fosse o brilho de uma estrela sequer, esta faltou. Román Riquelme esteve apagado durante toda a partida. Santiago El Tanque Silva desperdiçou talvez a chance mais clara do jogo, ao cabecear na trave, aos 44 minutos do segundo tempo. Cvitanich, Erviti… nada. Enfim, este time carece de individualismo.

As alterações de Julio César Falcione não surtiram o efeito desejado e como diriam os argentinos, esta foi uma partida “aburrida”. No entanto, os venezuelanos tiveram o mérito de anular as jogadas xeneizes e ainda levaram perigo numa cobrança de falta.

Contudo, só resta aos boquenses pegarem mais sete horas de viagem com a cabeça inchada e no dia 7 de março encarar o Fluminense, em La Bombonera. Confira abaixo “os melhores” momentos da partida.

O que você, leitor, achou da partida? Opine!

Autor: Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

terça-feira, 14 de fevereiro de 2012 Boca Juniors, Copa Libertadores da América | 08:00

De volta à Libertadores, Boca Juniors quer reeditar saga

Compartilhe: Twitter

Remanescente da era Bianchi, Riquelme quer voltar a ser o "Deus de Copas"

Três anos depois, Boca Juniors retorna ao torneio que o consagrou para o mundo. A Copa Libertadores da América está para o Boca Juniors, assim como você, leitor, está para sua casa (eu sei, forcei a barra). Mas é assim que os xeneizes se sentem disputando uma Libertadores. Embora não adiante apenas se sentir confortável e confiante, precisa melhorar bastante o ataque, por exemplo. Visando isso, a diretoria apostou no uruguaio Tanque (ou poste) Silva, que veio para disputar apenas o torneio continental, neste primeiro semestre. Outro setor que estava carente de reposição era o meio de campo, para tal chegou Pablo Ledesma.

Não pode-se dizer que a equipe é um primor, tampouco concordo que esta equipe compare-se àquela da era Bianchi, mas ainda assim possui a mística e, sobretudo, jogadores com qualidade. Talvez o único ponto que se assemelhem é a forma de atuar: 4-3-1-2, com tridente defensivo – Rivero, Somoza e Erviti – e Román Riquelme de enganche. Um atacante de referência – Santiago Silva – e um solto – desta vez, Cvitanich -, ao menos, neste torneio. Ademais, atacam com poucos jogadores.

E apesar das deficiências ainda presentes, Falcione conseguiu ajustar o time a partir da defesa, que foi a menos vazada do Apertura, e que já transmite a segurança de outrora, além de fazer gols. Ironicamente, Schiavi é uma das peças importantes deste ajuste.

O epílogo poderia ser a subscrição do dito popular “o bom filha à casa torna”. Mas se tratando de Libertadores, Boquita e brasileiros, os xeneizes têm os traços de Maquiavel. Como já diria o Príncipe, “é melhor ser temido do que ser amado”. Boca que o diga.

Grupo: Pelo futebol que vem jogando e mais: pelo que os adversários não têm jogado, Boca Juniors tem condições de passar de fase com sobra. Zamora é apenas um coadjuvante. Arsenal ainda vai incomodar e talvez até brigar por uma vaga, porém as minhas apostas vão no Fluminense e no Boquita.

Time base: Agustín Orión; Facundo Roncaglia, Rolando Schiavi, Juan Manuel Insaurralde e Clemente Rodríguez; Diego Rivero, Leandro Somoza e Walter Erviti; Juan Román Riquelme; Darío Cvitanich e Santiago Silva. Técnico: Julio César Falcione.

Leia mais: Arsenal e a missão de incomodar
Leia mais: Vélez Sarsfield quer voltar a ser Fortín
Leia mais: Granate pronto para explodir

Autor: Tags: , , , , , , ,

quinta-feira, 15 de dezembro de 2011 Boca Juniors | 01:11

Cuidado! Angelici no poder

Compartilhe: Twitter

Seria Angelici o novo Macri? Espero que não.

Daniel Angelici assumiu a presidência do Boca Juniors. Para muitos, ou pelos para os que votaram nele, um motivo de alegria e perspectiva de crescimento. Para este que vos escreve não. Longe de acreditar que Amor Ameal era a pessoa ideal para conduzir o clube, mas não consigo dissociar Angelici à imagem de Maurício Macri.

Na verdade, Angelici foi tesoureiro do clube de 1995 até meados de 2010. Esteve presente em boa parte dos mandatos de Macri, hoje prefeito de Buenos Aires, que levou o clube a outro patamar de mídia e, sobretudo, de dívida – conquistou títulos e expandiu-se como poucos e deixou dívidas como nenhum outro.

Além de fazer parte da conturbada renovação do ídolo do clube Juan Román Riquelme. Antes preciso dizer que não defendo Román, mas, vale explicar que ele usou o discurso da realidade financeira para justificar algo que partia do lado pessoal de outrem, leia-se: Macri. Quem não lembra do Topo Gigio imitado por Román? Pois é, Macri não esqueceu ainda.

Ao lado dos seus vices – Oscar Moscariello, Juan Carlos Crespi, Rodolfo Ferrari e César Martucci -, ele foi oficializado no cargo e em apenas 15 minutos de coletiva me fez lembrar que há uma Libertadores pela frente. Ademais, há interesse em Santiago Silva, apesar de ter um impedimento legal de contratá-lo, ou em Mauro Boselli (de novo?), que renovará com Julio César Falcione e, sobretudo, que o macrismo ainda paira sobre La Boca.

Crescer a qualquer preço é muito caro. E se ele acha que o Boca já fez das tripas coração para renovar com Román não seria plausível transformar o coração em tripas, novamente. Posso ser leviano em acreditar que este mandato será um retorno do ideal macrista ao poder com seu bônus e ônus, mas quem está no comando de tudo é quem “cuidava” do dinheiro do clube quando não se tinha cuidado com dinheiro algum. Ou seja, boa sorte aos xeneizes. Vocês vão precisar.

Autor: Tags: , , , , , , , , , , , , , , , ,

domingo, 4 de dezembro de 2011 Apertura, Boca Juniors | 22:01

iDale, dale Boca!

Compartilhe: Twitter

O Boca Juniors necessitava apenas de um ponto para sagrar-se campeão do Apertura 2011. No entanto, a equipe xeneize derrotou o Banfield, em La Bombonera, por 3 a 0, e conquistou o torneio, após três anos, de forma invicta e com duas rodadas de antecedência. Darío Cvitanich, duas vezes, e Diego Rivero marcaram os gols do título.

La Bombonera lotada. Os boquenses já comemoravam o título antes mesmo do início da partida, afinal, um empate já era o suficiente. Mas logo aos nove minutos, Cvitanich, após bate e rebate na defesa do Taladro, abriu o marcador. Com o placar a favor, os xeneizes dominaram a partida, porém só ampliaram o marcador, aos 44 minutos, novamente com Cvitanich, de primeira, após cobrança de escanteio.

No primeiro minuto do segundo tempo, Rivero, de fora da área, acertou um belo chute e marcou o terceiro gol boquense. A partir daí, a festa que já era intensa tornou-se maior. O ídolo Román Riquelme, apesar de estar em recuperação por causa de uma fascite plantar, entrou em campo, aos 29 minutos, no lugar de Rivero, para erguer a taça.

Com a vantagem, os xeneizes apenas administraram a partida, diante de um Banfield apático.

A campanha

Formação que o Boca Junios entrou em campo nas últimas partidas, inclusive a o título.

Apesar de todas as marcas alcançadas, este time do Boca Juniors está longe de ser o melhor de todos os tempos, no entanto, já tem seu lugar guardado na história do futebol argentino e do próprio clube. O que deixou a desejar no sistema ofensivo compensou na força defensiva e na objetividade. Vide a campanha: 11 vitórias e seis empates.

Todavia, vale lembrar que poucos imaginariam – inclusive este que vos escrever – que este time entraria no Apertura para brigar pelo título, tampouco ganharia, afinal, o artilheiro da equipe se aposentara, Riquelme pouco atuou no último torneio, a defesa não inspirava confiança e ainda havia o temido promédio, o qual era baixo. Mas esta equipe, junto a Julio César Falcione, soube superar os obstáculos e conquistar o título.

Ao ser campeão antes do fim do torneio e invicto, o Boca igualou a sua própria marca alcançada entre 1998 e 1999, na era Bianchi. No entanto, o River Plate, em 94, e San Lorenzo, em 68 e 74, também conseguiram o êxito sem derrotas.

Ademais, o resultado de hoje, fez o clube alcançar a sua segunda maior sequência de invencibilidade, com 27 partidas. A maior foi de 40 partidas, há 13 anos, justamente na época do Virrey.

A outrora criticada defesa foi o ponto forte desta equipe. Agustín Orión, Facundo Roncaglia, Rolando Schiavi, Juan Insaurralde e Clemente Rodríguez trouxe a segurança desejada ao sistema defensivo, que foi vazado apenas quatro vezes. Nenhuma outra equipe conseguiu tal feito, em 17 rodadas de um torneio.

No setor de meio de campo, o cabeça de área Somoza deu o suporte necessário a zaga, com boa marcação e primeiro passe. Rivero e Erviti, conseguiram equilibrar as ações no setor, o primeiro com função defensiva, enquanto, o segundo explorava mais o ataque. Román, como tem sido há anos, é o motor desta equipe, mas quando não teve condições de jogar, Pochi Chávez conseguiu ser um substituto à altura, apesar das ressalvas.

Na frente, a rotatividade, por causa de lesões e suspensões, atrapalhou o setor e, consequentemente, o time. Cvitanich, Mouche, Viatri, Blandi e Araujo passaram pelo setor, e apesar de terem balançado pouco as redes foram muito importantes, 22 tentos, ao todo.

Mas, na minha concepção, o melhor desta equipe encontra-se no banco, o técnico Julio César Falcione, que soube trabalhar com limitações e não deu um valor excessivo ao craque do time, Román, como os demais treinadores.

Enfim, outro aspecto que pode render quebra de recorde dos xeneizes é a diferença de pontos para o vice. Atualmente, o segundo colocado é o Racing, com oito pontos, porém o Tigre está a nove pontos e uma partida a menos. Entretanto, restam nove em disputa, visto que o Matador jogará amanhã. Todavia, nove pontos foram as diferenças do River para o Independiente, no Apertura ’96, e Boca para Gimnasia y Esgrima de La Plata, no Apertura ’98. Logo, aguardar faz-se necessário.

Recordes a parte, os boquenses soltaram o grito que estava preso há três anos na garganta, o de campeão. E embora esta campanha tenha ressalvas, devo ressaltar que merece respeito, porque hoje o Boca não tem grande jogadores, mas tem um grande time.

Resultados

Fecha 1 – Olimpo 0 x0 Boca Juniors
Fecha 2 – Boca Juniors 4 x 0 Unión (Román Riquelme, Lucas Viatri (2) e Nicolás Colazo)
Fecha 3 – Newell’s Old Boys 0 x 1 Boca Juniors (Pablo Mouche)
Fecha 4 – Boca Juniors 1 x 1 San Lorenzo (Darío Cvitanich)
Fecha 5 – Independiente 0 x 1 Boca Juniors (Rolando Schiavi)
Fecha 6 – Boca Juniors 1 x 0 San Martín SJ (Walter Erviti)
Fecha 7 – Lanús 1 x 2 Boca Juniors (Walter Erviti e Lucas Viatri)
Fecha 8 – Boca Juniors 1 x 0 Estudiantes (Clemente Rodríguez)
Fecha 9 – Argentinos Juniors 0 x 0 Boca Juniors
Fecha 10 – Boca Juniors 1 x 0 Tigre (Castaño, contra)
Fecha 11 – Boca Juniors 0 x 0 Belgrano
Fecha 12 – Colón 0 x 2 Boca Juniors (Nicolás Blandi (2))
Fecha 13 – Boca Junios 3 x 1 Atlético Rafaela (Cristian Chávez e Nicolás Blandi (2))
Fecha 14 – Vélez Sarsfield 0 x 0 Boca Juniors
Fecha 15 – Boca Juniors 0 x 0 Racing
Fecha 16 – Godoy Cruz 1 x 2 Boca Juniors (Darío Cvitanich e Rolando Schiavi)
Fecha 17 – Boca Juniors 3 x 0 Banfield (Darío Cvitanich (2) e Diego Rivero)
Fecha 18 – Arsenal x Boca Juniors
Fecha 19 – Boca Juniors x All Boys

Autor: Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

sábado, 3 de dezembro de 2011 Boca Juniors, Imagem | 01:16

O blooper de Román

Compartilhe: Twitter

Sem atuar desde 16 de outubro, no empate de zero a zero, ante Belgrano, Juan Roman Riquelme deverá estar presente na partida diante do Banfield, em La Bombonera, neste domingo. Ao menos, ele treinou e foi relacionado para o embate, que poderá dar o título ao Boca Juniors, após três anos, desde que a equipe consiga um ponto. Todavia, o intuito deste post é menos informativo do que o lead apresenta. Hoje é sábado e nada como (mais) um vídeozinho para relaxar.

No treinamento de ontem, em Casa Amarilla, o último antes da partida decisiva, Román representou uma cena, diga-se de passagem, constrangedora, ou melhor: um blooper. Assista abaixo:

Autor: Tags: , , , ,

domingo, 20 de novembro de 2011 Apertura, Boca Juniors | 00:01

Quando a ausência de Riquelme deixou de ser um problema

Compartilhe: Twitter

Roman coleciona lesões, só nesta temporada foram: tendinite, lesão muscular e fascite.

A dependência do Boca Junior em relação a Juan Román Riquelme parece que foi sanada, ao menos, a equipe aprendeu a vencer e convencer sem a presença do camisa 10. Méritos do grupo e, sobretudo, de Julio Cesar Falcioni, que não supervaloriza o ídolo xeneize em detrimento de outras peças do plantel. Com isso, o Boca faz uma campanha, diga-se de passagem, memorável. Líder e invicto, com oito pontos a frente do segundo colocado, com nove vitórias e cinco empates. E mais: com a segurança de um campeão.

A equipe segue no já manjado 4-3-1-2. E a peça que supre a ausência de Román já estava na equipe, Pablo Chávez. De fato, ele não é nenhum Riquelme, mas sabe muito bem ser o Chávez e isso já é o suficiente para o futebol da equipe fluir. No ataque, já passaram: Mouche, Viatri, Cvitanich, Araujo e Blandi, e o rendimento da equipe continua bom.

Quanto a defesa, nem Freud explica. Não que seja a dos sonhos, mas é a menos vazada do Apertura. Outro fato raro nestes últimos anos. Orion, apesar de contestado inicialmente, apresenta segurança na meta, assim como o grosso zagueiro Schiavi. E até a deficiência ofensiva de Clemente Rodriguez está sendo mascarada pelas boas empreitadas ofensivas.

Outrora, Basile e Borghi armavam um time para Román jogar, mesmo quando o mesmo não estava em suas melhores condições. Falcioni, por sua vez, não mais repetiu os erros, apostou no conjunto e está recebendo o bônus pela atitude. A seu favor pesa o clima interno sem o já conhecido racha entre riquelmistas e palermistas, e a inscontância de meia.

Román não estará em campo contra o Racing e, provavelmente, não atuará mais pela equipe xeneize neste Apertura, por causa da fascite plantar. O que antes seria um grande problema, hoje já não aflige o time, pois em quatro jogos sem o astro, foram três vitórias e um empate, jogando bem.

Contudo, pode-se dizer que, hoje o Boca Juniors não tem um ídolo em campo, no entanto, hoje o Boca Juniors tem um time.

Autor: Tags: , , ,

quinta-feira, 18 de agosto de 2011 AFA, Seleção | 19:11

Lista “local”: Riquelme e Verón?

Compartilhe: Twitter

Sabella força a barra e convoca Riquelme e Verón de uma só vez.

Nesta tarde, o novo selecionador da Argentina, Alejandro Sabella, apresentou a lista de 24 convocados para enfrentar o Brasil, dias 14 e 28 de setembro, reeditando, assim, a extinta Copa Rocca, rebatizada de “Superclássido das Américas”. Os jogadores, que atuam exclusivamente no futebol local, começam a treinar no prédio da AFA, dia 23 deste mês.

Vélez Sarsfield e Estudiantes foram as equipes que mais cederam atletas para a Seleção local, seis cada. Uma mescla entre o último clube do treinador e o atual campeão nacional. Racing, Boca Juniors, Lanús, San Lorenzo e Arsenal foram as outras equipes que tiveram jogadores convocados.

Dentre as novidades, Marcelo Barovero, Héctor Canteros, Lucas Castro e Emmanuel Gigliotti que foram citados pela primeira vez. Além do retorno de Juan Román Riquelme e Juan Sebastián Verón. O primeiro volta a Albiceleste após três anos ausente e uma sequência regular de lesões, enquanto, o segundo não atua há meses por diversos problemas físicos. Apostar faz-se necessário, mas não precisava forçar a amizade.

Lista de convocados:

Goleiros: Marcelo Barovero (Vélez Sarsfield) e Agustín Orión (Boca Juniors);
Defensores: Sebastián Domínguez (Vélez Sarsfield), Emiliano Papa (Vélez Sarsfield), Christian Cellay (Estudiantes de La Plata), Leandro Desábato (Estudiantes de La Plata), Iván Pillud (Racing Club), Clemente Rodríguez (Boca Juniors), Jonathan Bottinelli (San Lorenzo) e Lisandro López (Arsenal de Sarandí);
Meiocampistas: Augusto Fernández (Vélez Sarsfield), Rodrigo Braña (Estudiantes de La Plata), Juan Sebastián Verón (Estudiantes de La Plata), Juan Román Riquelme (Boca Juniors), Christian Chávez (Boca Juniors), Diego Valeri (Lanús), Héctor Canteros (Vélez Sarsfield), Lucas Castro (Racing Club) e Agustín Pelletieri (Racing Club);
Atacantes: Juan Manuel Martínez (Vélez Sarsfield), Gastón Fernández (Estudiantes de La Plata), Mauro Boselli (Estudiantes de La Plata), Gabriel Hauche (Racing Club) e Emmanuel Gigliotti (San Lorenzo).

Autor: Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

segunda-feira, 15 de agosto de 2011 Apertura | 08:00

Apertura, fecha 2

Compartilhe: Twitter

A segunda rodada do Apertura, começa nesta segunda-feira à tarde com a expectativa de um panorama diferente do que a fraca fecha inicial. Vide que nesta rodada alguns jogadores estrearão, as equipes tiveram mais tempo de preparação e entrosamento e já não há o nervosismo habitual da estréia.

Dos confrontos desta rodada, destaco: Estudiantes e San Lorenzo, Lanús e Independiente e Racing e Godoy Cruz. Além de Boca Juniors e Unión, visto que o time xeneize debutará na Bombonera, e a partida possui uma carga histórica para Juan Román Riquelme, que estreou num confronto entre essas equipes, em 2006, com direito a grande atuação.

Ademais, não esquecer a estréia do River Plate na B Nacional, ante Chacarita Juniors, nesta terça-feira, no Monumental de Núñez. Caso desejem, este e os demais jogos podem ser acompanhados por aqui.

Segunda-feira (15)
15h Atlético Rafaela x Arsenal
17h05 Vélez Sarsfield x Banfield (Esporte Interativo)
19h10 Estudiantes x San Lorenzo (Esporte Interativo)
21h15 Boca Juniors x Unión (Esporte Interativo)

Terça-feira (16)
15h San Martín SJ x Tigre
17h05 Lanús x Independiente
21h15 Argentinos Juniors x Newell’s Old Boys

Quarta-feira (17)
17h05 Colón x All Boys
19h10 Belgrano x Olimpo
21h15 Racing x Godoy Cruz

Autor: Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

segunda-feira, 1 de agosto de 2011 Boca Juniors | 16:51

Saldo negativo

Compartilhe: Twitter

Pré-temporada no Brasil, tour pela Europa, aquisição de um atacante, dois zagueiros e dois goleiros e diversas incertezas rodam a equipe do Boca Juniors. De fato, é precoce avaliar a equipe que encontra-se em preparação, mas o Apertura, apesar de desvalorizado, se avizinha e o panorama é bem desagradável aos olhos dos xeneizes.

Foto de apresentação do novo padrão, em Londres.

Os resultados foram desastrosos. Um empate em 2 a 2, ante Arsenal, e uma derrota de 3 a 0, ante Paris Saint Germain, ambos em Londres; E uma derrota por 3 a 1, ante Espanyol, em Barcelona, podem ser visto como normais. E são. Apostar na camisa não tem dado certo para muitas equipes, vide Brasil e Argentina. Mas outros problemas se fizeram presentes.   

Além de não apresentar um futebol minimamente agradável a equipe colecionou lesões: Gracián, com luxação no cotovelo esquerdo, Chávez, com lesão no joelho direito, e Sosa, com distensão. Logo, três baixas para a estréia, no domingo, ante Olimpo, em Bahía Blanca.

Por sua vez, Orión que chegou para ser “o homem de confiança” no gol boquense mostrou debilidade em algumas ocasiões que levaram a diretoria a fechar com outro goleiro: Sebastian Sosa, ex-Peñarol. Talvez precitados, mas que logo deu a entender a falta de paciência ou desconfiança. Vide a aposta que foi feita no ex-Pincha.

A nova camisa: parece mais do mesmo, e é, mas essa manga...

Ademais, o sistema defensivo segue o mesmo: dando sustos. Nem a chegada de Schiavi amenizou os problemas com bolas paradas. Nada que treinamentos não solucionem, mas por ora nada mudou. Quanto a Roncaglia, que retornou após empréstimo ao Estudiantes, nada fez quando solicitado. No entanto, culpar apenas os zagueiros seria leviano, os volantes pouco ou nada fizeram. E com ressalvas a Riquelme, que ainda precisa mostrar mais, o criação ficou aquém das expectativas.

Por fim, se vender o jovem atacante Sergio Araujo ao Barcelona era a meta econômica da viagem o objetivo foi fracassado. Com culpas compartilhadas entre o jogador e o clube. O atleta teve pouca oportunidade de mostrar seu futebol e quando o teve não soube aproveitá-la, ou seja, nada que justificasse a equipe blaugrana investir a quantia que os xeneizes queriam, em torno de dez milhões de euros.

A equipe precisa se encontrar financeiramente e, sobretudo, futebolisticamente. Não havia a necessidade deste giro europeu para as debilidades do time vir à tona, mas já que assim o fez chegou a hora de apagar esta imagem. E apesar de tardiamente, não poderia deixar de comentar a nova camisa da equipe: estranha, para não dizer feia, assim como o seu futebol.

Autor: Tags: , , , ,

  1. Primeira
  2. 1
  3. 2
  4. Última