Publicidade

Arquivo da Categoria Argentinos Jrs

quinta-feira, 21 de abril de 2011 Argentinos Jrs, Clausura, Copa Libertadores da América, San Lorenzo, Seleção, Vélez Sarsfield | 00:34

Três partidas e algumas observações…

Compartilhe: Twitter

Três partidas  movimentaram o futebol argentino na noite de ontem. A apresentação apática da Argentina no amistoso, ante Equador, a vitória do Vélez Sarsfield sobre o San Lorenzo, na partida adiada por causa da violência, e da desclassificação do Argentinos Juniors, na Copa Libertadores da América.  Então, seguem abaixo algumas observações sobre cada partida.

Batista segue desagradando.

A Seleção de Batista. Confesso que nem sempre acho isso, mas ultimamente tem sido de um esforço quase sobrecomum assistir a Seleção de Sergio Batista jogar. Isso, mesmo. Pois, Argentina é outra coisa. Desta vez, os locais, por assim dizer, empataram em 2 a 2 com o Equador. E tudo que se viu, ou nada, foi uma equipe sem graça, sem identidade. Sem a argentinidade.

Entretanto, a titulo de curiosidade, vale observar que, os dois gols argentos foram marcados por jogadores do Racing: Claudio Yacob – que posteriormente saiu lesionado e preocupa a equipe de Avellaneda – e Gabriel Hauche. Estes foram os primeiros gols de ambos no selecionado nacional.

Ao término do encontrou, Batista disse: “Sempre tiro experiências positivas destas partidas”. Quiçá seja verdade. Mas nunca põe em prática.

 

Um final lmentável.

Acabou. Poderia iniciar escrevendo sobre o quão deprimente foi a confusão pós-desclassificação, e não vou omitir, mas primeiro gostaria de salientar algo que já foi dito por este colunista que vos escreve: Argentinos Juniors é uma daquelas equipes que não jogam bem, mas quase sempre vencem. Desta vez, a (i)lógica se inverteu, parcialmente. Ou seja, jogou mal e perdeu. Foi-se classificação as oitavas de finais, foi-se a hombridade. Enquanto o Fluminense mostrava superioridade, o Bicho se encolhia e, digamos assim, recolhia sua questionável grandeza. É louvável e precisa ser dito, apesar de mau como sempre, a equipe tentou dentro de sua vasta limitação, mas tentou. Não merece ser condenado pelo que não fez em campo, mas sim ao que proporcionou depois. Vale dizer, também, que não brigou só. E aos que pensam que isto é coisa de argentino ou uruguaio, não se esqueçam de olhar para o próprio umbigo. Lamentável.  

Tristes daqueles que o veem com desdém.

A partida que faltava. Antes de qualquer notícia, uma observação: jogos com portões fechados são deprimentes! Mas foi assim que o Vélez Sarsfield derrotou o San Lorenzo, por 2 a 0, na Bombonera. A partida, que havia sido adiada por causa da violência, foi válida pela sexta fecha. E com a vitória, que nasceu dos pés de Santiago Silva e Augusto Fernández – que entrou só para marcar -, o Fortín se tornou líder do Clausura, com 21 pontos. Seguido por River Plate, com 19, Olimpo, Estudiantes e Godoy Cruz, ambos com 17.

E para finalizar, outra observação: Não pela liderança, muito menos pela partida, mas atualmente o Vélez Sarsfield é a melhor equipe argentina. Sua funcionalidade e seu protagonismos são vistos em poucas equipes. Segurança na defesa, criatividade no meio de campo, sobretudo, com Maxi Moralez e Juan Manuel Martínez, além do suporte defensivo de Zapata e precisão no ataque, lê-se, Santiago el Tanque Silva, lembram dele? Enfim, aos que desdenham – Silva e ao time: cuidado.

Autor: Tags: , , , , , , , , ,

sexta-feira, 4 de março de 2011 Argentinos Jrs, Copa Libertadores da América, Estudiantes, Godoy Cruz, Independiente, Vélez Sarsfield | 01:15

Dos quatro, apenas Argentinos Jrs vence

Compartilhe: Twitter

Esta semana foi recheada de times argentinos na Copa Libertadores da América, só Estudiantes ficou de fora. Mas, o retrospecto não foi nada animador, dos argentos apenas Argentinos Juniors venceu. Godoy Cruz, Vélez Sarsfield e Independiente não só perderam seus jogos, como o fizeram apresentando um mau futebol.

O Godoy Cruz é, de fato, um time inusitado. Venceu o Boca Juniors de goleada na Bombonera, estreou na Copa Libertadores com vitória e… perdeu do Peñarol, em casa, por 3 a 1, na última terça-feira. Não que a equipe uruguaia mereça desdém, pois não merece. Ela é a uma das maiores vencedoras do torneio continental, mas já não vive em uma das melhores fases. O Tomba respeitou demais, e não teve tempo nem de pensar, começou o jogo perdendo de um a zero. Ao empatar relaxou e antes do término da primeira etapa, recebeu o segundo golpe. Os argentinos não jogaram bem, erraram bastantes passes e não tiveram criatividade. No segundo tempo, Godoy seguiu o mesmo e em um contraataque, os Carboneros selaram a vitória, por 3 a 1. Para fazer alusão a atuação da equipe Bodeguera, ainda faltou energia no estádio. (C0nfira os gols, aqui.)

Niell comemorando o gol da vitória do Argentinos Jrs. O único vencedor argentino da rodada.

Mas a equipe que mais me surpreende é o Argentinos Juniors. A equipe não é uma maravilha, mas tem seus valores. E o mais fundamental deles é o atacante Franco Niell, que de possível surpresa se converteu em peça chave, principalmente, após a baixa do volante Mercier. Na quarta, os argentinos desde o início se impuseram em campo e numa falha da zaga e do goleiro, Niell marcou. Mas em pouco tempo, faltou luz no estádio. (Aqui repito o que disse no twitter: “Se não conhecesse a Libertadores diria que é muito estranho essa energia acabar justamente quando o Argentinos estava melhor em campo”.) Com os ímpetos esfriados, diga-se de passagem, o Bicho voltou melhor, mas não conseguiu ampliar. Então, terminou assim: 1 a 0, ante Nacional, no Uruguai. Enfim, em três partidas duas vitórias e um empate, e a liderança no grupo 3, o mesmo do Fluminense que está em terceiro. (Confira o gol, aqui.)

Mal no Clausura e bom na Libertadores, Vélez Sarsfield foi à campo, ontem, para confirmar essa escrita. Mas… caiu ante os chilenos do Universidad Católica, por 4 a 3. Começou perdendo, por assim dizer, pois antes do primeiro minutos já estava 1 a 0, mas ainda na primeira etapa virou e ampliou. Finalizou a primeira etapa com 3 a 1. Mas o segundo tempo foi inimaginável para o Fortín, aos cinco minutos o defensor Ortiz foi expulso e os minutos seguintes foram tensos para os de Liniers que tiveram de modificar o sistema e a forma de jogar. Todavia, o estádio José Amalfitani emudeceu ao receber a virada no final do jogo: 4 a 3. Agora, ruim no Clausura e razoável na Libertadores, na qual está no grupo 4, em segundo. (Confira os gols, aqui.)

O frágil e misto Independiente segue confuso. Não sabe o que priorizar ou prioriza e não sabe o que, de fato, tem de fazer. Perdeu do River com a equipe completa – e somou 12 partidas sem vencer em casa pelo campeonato nacional – e também do LDU Quito com a equipe mista – somando 19 jogos sem vencer no exterior. Enfim… Seria este o fim? Quiçá. Mas o presente não tem sido satisfatório para o Rojo que acendeu o alerta no Clausura e terá de fazer o mesmo no torneio continental, principalmente, após perder de 3 a 0, para os equatorianos. Igualando em pontos todos do grupo 8. (Confira os gols, aqui.)

Autor: Tags: , , , , ,

sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011 Argentinos Jrs, Copa Libertadores da América | 00:08

De virada, Bicho!?

Compartilhe: Twitter

Salcedo comemorando um dos gols.

O Argentinos Juniors não se deu por satisfeito em aprontar uma surpresa, ante Fluminense, e emplacou a segunda, desta vez, no estádio Diego Armando Maradona. E, de virada, venceu o América-MEX, por 3 a 1, tornando-se líder do grupo 3, na Copa Libertadores da América.

Quem acompanha jogos do Argentinos Jrs sabe o quão limitado é a equipe, em termos de jogadas ofensivas. Apostando em contraataques e cruzamentos. Na primeira etapa, o América forçou, atacou, teve um gol anulado por impedimento e, aos 27 minutos, o argentino Daniel Montenegro, de cabeça, abriu o placar, após cobrança de falta. Seria o Bicho sofrendo do seu golpe, o conhecido “chuveirinho”. E pior, não conseguia implacar o contragolpe. Mas, aos 44, em um pênalti discutível – aos que já conhecem a arbitragem na Libertadores, nem discute mais -, Santiago Salcedo bateu com categoria e empatou.

Com o placar igual, as duas equipes voltaram para a segunda etapa da mesma forma que jogou a primeira, com as Águias dando as cartas. E o Argentinos apostando nas bolas levantadas na área adversária. Até, aos 28, Salcedo de primeira, aproveitando um escanteio, virou a partida: 2 a 1. A partir deste momento, os mexicanos foram para cima e deixaram os espaços, os quais os argentinos preenchiam na base do contragolpe e chute de média distância. E foi em um desses, que Sánchez Prette, de fora da área, ampliou a vantagem, aos 47 minutos.

Há 25 anos, Argentinos não jogava em casa na Libertadores. E nada mais místico do que vencer de virada no estádio com um nome tão emblemático. Melhor para o Bicho, que tornara-se líder do grupo (no qual consta o Fluminense). E no próximo dia 2, vai encarar o lanterna Nacional-URU, em Montevidéu.

Veja os gols da partida:

Autor: Tags: , , , ,

quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011 Argentinos Jrs, Copa Libertadores da América | 01:07

Que surpresa, Bicho!

Compartilhe: Twitter

O lance da partida poderia ter sido um gol. Mas não seria se fosse marcado. Convenhamos que não foi uma bola simples de cravar que entrou. Mas por assistir ao longo dos anos a Copa Libertadores da América e ver que os árbitros possuem uma leve tendência a não querer prejudicar os times que jogam em casa, tenho minhas dúvidas quanto a não marcação. Enfim, prejudicado ou não, o Argentinos Jrs me surpreendeu.

Após o título do Clausura houve uma debandada de jogadores. O Apertura deve ser esquecido. Então, havia pouco o que esperar do Bicho – que volta à Libertadores após 25 anos. Incógnita. Mas o que se viu na partida, ante Fluminense, foi uma equipe que a todo momento superava suas limitações, explorava os flancos, as bolas paradas e, principalmente, o bom atacante Franco Niell, que marcou os dois gols da equipe argenta. Rafael Moura marcou os dois do Flu.

Argentinos Juniors e Fluminense são equipes diferentes, com propostas e qualidades díspares. Ou seja, diferentes, porém iguais.

Autor: Tags: , ,

quarta-feira, 26 de janeiro de 2011 Argentinos Jrs, Copa Libertadores da América | 19:00

Guia Libertadores 2011: Após 25 anos, o Bicho está de volta…

Compartilhe: Twitter

 Atualizado às 16h de 04.02 

Foto do time, pós título do Clausura.

Após ser campeão do Torneio Clausura – o que lhe garantiu a terceira participação na Copa Libertadores da América -, o Argentinos Jrs sucumbiu. Se desfez de diversos elementos importantes da equipe e não conseguiu repetir as mesmas atuações no Apertura, terminando em 12º. E fazendo o técnico Pedro Troglio – que substituiu Claudio Borghi após o título – balançar no cargo. 

O Bicho Colorado volta à competição continental 25 anos depois da última participação – foi derrotado na semifinal – e 26 do único título da equipe na Copa. Logo, a meta é igualar um dos seus feitos longínquos. 

A falta de contratações – até, então, chegou o meia Sánchez Prette e o atacante Salcedo – aliado à dispensa de alguns atletas que compõe o elenco poderá enfraquecer ainda mais a equipe, que se já não bastasse caiu num grupo difícil, ao lado de Nacional-URU, Fluminense-BRA e América-MEX. 

Ponto Forte 

O doble 5 formado pela dupla Mercier e Ortigoza Sánchez Prette (caso consiga se adaptar e reeditar seu bom futebol), que são as armas da equipe, além de reforçarem a defesa, são os responsáveis por armar as jogadas de ataque. Com a chegada de Prette, o meio de campo – que já é o melhor setor da equipe – ganha mais consistência e experiência, vide que o meia foi campeão da competição com o Estudiantes, em 2009. Além da experiência do atacante Salcedo, artilheiro da competição, no mesmo ano. 

Atrás, o arqueiro Nicolás Navarro tem demonstrado bastante segurança. Ainda assim, o Tifón é uma equipe sem brilho. 

Ponto fraco 

A pouca experiência do grupo em torneios internacionais é bastante prejudicial, mas o futebol que a equipe tem apresentando é o maior ponto negativo. Seus laterais são constantemente surpreendidos.  

Apesar de serem os destaques da equipe, a dupla Mercier-Ortigoza pode está com os dias contados. Ortigoza viu as negociações da renovação do seu contrato se arrastarem, mas tudo foi resolvido. Apesar de ter o contrato renovado, Ortigoza foi vendido ao San Lorenzo, logo, um dos pontos fortes da equipe a dupla Mercier-Ortigoza foi desfeita. E, a muito tempo o seu parceiro, Mercier já demonstrou sua vontade de ser transferido e por mais que nenhum negoóio tenha sido concretizado, o meia já não mostra a alegria de seguir no clube. 

Tática 

Troglio comumente arma a equipe no 4-2-2-2, com Navarro; Prósperi, Berardo, Gentiletti e Sábia na defesa; A dupla Mercier-Ortigoza no meio Com a saída de Ortigoza, Mercier, provavelmente, fará dupla no sistema defensiva com Prette, porém um pouco mais recuado e Escudero e Niell mais abertos pelas laterais apoiando Blandi (Vargas) e Rius, no ataque. Por vezes, Ortigoza Prette assume o papel de enganche e um dos laterais é deslocado para o meio, variando para o 3-4-1-2. 

Mercier é o jogador chave da equipe e agora só após a saída do parceiro Ortigoza.

A figura do time 

Nestor Ortigoza. Capitão e, junto com Mercier, peça chave da equipe, o argentino naturalizado paraguaio foi um dos grandes responsáveis pelo título do Clausura. O meia não sucumbiu junto a equipe no Apertura. Sabe defender e atacar muito bem, além de boa visão de jogo. 

Com a saída de Ortigoza, o volante Juan Mercier, que já era uma peça chave da equipe, terá importância redobrada para manter a qualidade no meio de campo da equipe. E provavelmente, herdará a braçadeira de capitão. Bom marcador, sabe dar o primeiro passe como poucos e chega bem ao ataque, qualidades essas que o deram espaço na lista prévia de Maradona para o Mundial ’10. 

Quem pode surpreender 

Franco Niell. Com mobilidade, criatividade e velocidade pelos flancos, o atacante é escalado, por vezes, como meia. Mas, independente da posição é uma das arma de criação da equipe. 

Quem chegou  

Sánchez Prette (meio campo – Barcelona de Guayaquil-EQU, mas pertence ao Cluj-ROM), Santiago Salcedo (Atacante – Lanús) 

Quem saiu 

Nestor Ortigoza (Meio campo – San Lorenzo), Federico Domínguez, Guillermo Pereyra, Carlos Recarlde, Darío Ocampo, Fabio Escobar, Julián Fernández, Lucas Fernández, Jonathan Páez, Leonel Coudannes. 

Jogos 

09.02 Fluminense-BRA x Argentinos Jrs.
24.02 Argentinos Jrs. x América-MEX
02.03 Nacional-URU x Argentinos Jrs.
15.03 Argentinos Jrs. x Nacional-URU
07.04 América-MEX x Argentinos Jrs.
20.04 Argentinos Jrs. x Fluminense

Autor: Tags: , , , , ,